Tenho pensado nesse processo que a palavra do texto  “Muros Agudos”  é ação para uma corporeidade em estado  de fracasso. Os atores que estão no processo compreendem a palavra/texto como um dispositivo que favorece apenas a construção de uma personagem, o que torna dificultoso construir essa palavra em cena.

Então penso que se pensarmos essa mesma palavra como um dispositivo de ação que explode a todo momento podemos encontrar brechas para um corpo que a todo momento é ação. Essa ação deve ser direcionada para lapsos de tempo que se concretizam em dois momentos: o de ação pausada e o de ação em movimento acelerada, em velocidade de caos.

Dessa maneira podemos , a medida em que o texto vai sendo lançado, direcionar uma corporeidade que está favorável à uma certa liberdade consciente de produzir ação.

Parece confuso. na verdade é confuso, mas essa talvez seja uma maneira mais objetiva e produtiva que favoreça os atores nesse processo de criação.

 

Treino Processo de Ensaios

Respiração – estado provocativo para Prólogo

Ação 1- Correr

correr em direção á ..

correr contra ( pessoa 1- poder ser qualquer um)

correr em direção à algo sem propósito, a não ser a ação de correr

Ação 2- Pular

pular para dentro do quadrado em trio

pular em direções opostas e ritmadas

ação 3- Deitar

deitar em direção oposta aos outros participantes

 

Exercícios Gerais Provocativos para Criação

01-

Pensar o espaço/texto como linhas que se desenham no espaço

Desenvolver as ações ( correr, pular, deitar) nos espaços de linha

Experimentar cena 1, 2 e 3 em três linhas ( de correr, pular , deitar)

02-

Adaptação de trechos do texto em que podemos correr com ele

Edivaldo Batista

 

Fotos Alan Sousa