O projeto Angustipatia foi desenvolvido pela artista Érica Nog, durante o Preamar 2019, aqui a artista apresenta algumas imagens do processo de como chegou a resolução do formato de exibição da obra na mostra “Pequenas invenções para existir no mar”.

Érica Nog (1995) – Fortaleza, Ceará. Multiartista licenciada em Artes Visuais pelo IFCE. Arte-educadora de 2015 a 2017, MAC-CE e mediadora de 2018 a 2019 pelo Instituto Cultural Iracema. Atualmente trabalha com aquarelas, guaches, grafiti e muralismo. Participou das seguintes exposições:

2017 | Movência Poética: entre a forma e à paravisualidade, Curadoria por Herbert Rolim

2017 – 2018 | Margens da Pele, Curadoria por Kaciano Gadelha

2018 – 2019 | Porto Marine de Imagens

2019 | Arte e Resistência num Brasil de Retrocessos (Lisboa/PT), Curadoria por Judith Cavalcanti

2019 | Arte e Resistência num Brasil de Retrocessos (BSB/BR), Curadoria por Judith Cavalcanti

2019 – 2020 | Pequenas Invenções Para Existir no Mar, resultado do percurso PREAMAR

2020 | 1ª Black Bienal Brasil

Suas temáticas giram entorno do feminismo, depressão e o lúdico. Também participou dos festivais de arte urbana:

2019 – Festival Concreto #6

2019 – Deusas dos Muros

 

Imagens da abertura da exposição “Pequenas invenções para existir no mar”, com o trabalho Angustipatia, instalado no chão.

 

Imagens de esboços e processos de experimentação da artista para chegar ao trabalho final